CEI dos probatórios consegue aprovação para digitalização de documentação do processo

Publicado em: 06 de fevereiro de 2018

Selecione a Imagem

A Comissão Especial de Inquérito constituída na Câmara Municipal de Americana para apurar supostas irregularidades relacionadas a exonerações de servidores públicos em estágio probatório pela prefeitura de Americana realizou nesta terça-feira (6) mais uma reunião de trabalho. Participaram os vereadores Professor Padre Sérgio (PT) – presidente, Gualter Amado (PRB), Marco Antonio Alves Jorge, o Kim (PMDB), Odir Demarchi (PR), Pedro Peol (PV), Vagner Malheiros (PDT) e Welington Rezende (PRP) – membros.

 

Durante a reunião, os parlamentares aprovaram novos questionamentos à prefeitura sobre diferenças em valores encontrados nos anos de 2016 e 2017, além de perguntas sobre o número de servidores probatórios readmitidos, por medida judicial ou não.

 

A comissão deliberou ainda sobre a divulgação de informações obtidas pela comissão aos servidores demitidos. “Os probatórios estavam procurando a CEI para terem acesso a documentos que poderiam ser utilizados nos processos trabalhistas em curso, e os decidimos por autorizar o fornecimento das informações, mediante solicitação por escrito”, informou o presidente da comissão, vereador Professor Padre Sergio. As informações serão digitalizadas e poderão ser acessadas pelos requerentes através de login e senha.

 

Ainda segundo o presidente da comissão, os valores de superávit informados pela prefeitura no exercício financeiro de 2017 não podem ser justificados pela demissão dos probatórios. “A prefeitura divulgou que fechou 2017 com superávit pela primeira vez nos últimos dez anos, de R$ 17,9 milhões, relacionando seu bom desempenho administrativo com a redução do comprometimento com salários de servidores. Porém, as exonerações dos probatórios representaram uma economia de 0,57% dos 50,86% gastos com folha de pagamento, no ano passado”, apontou.

 

“Como comparativo, somando a despesa com 67 dos concursados demitidos chegamos a R$ 222,5 mil por mês, enquanto foram contratados 77 comissionados que passaram a gerar um gasto mensal de R$ 333,5 mil reais. Isso sem contar o abuso de horas extras nos setores mais atingidos pelas dispensas de trabalhadores admitidos por provas ou provas e títulos”, acrescentou Padre Sergio.

 

A próxima reunião da comissão acontece no dia 20 de fevereiro, na Câmara Municipal, com a coleta dos depoimentos.


Escrito por: Coordenadoria de Comunicação

Categoria: Comissões

Compartilhe essa notícia

Notícias Relacionadas